Mulher irresistível

A mulher para ser sexualmente irresistível, tem que ter um sorriso de inocência e o olhar de uma vagabunda. Porém, não pode ser nenhuma das duas.

19 julho 2015

A Mulher mais encantadora

Poucas são as mulheres extraordinárias que a gente conhece ao longo da vida. Eu conheci pelo menos uma . Era um verdadeiro paradoxo. Apesar de muito linda, nela a beleza não contava. Não fazia diferença. Se fosse feia eu amaria da mesma forma. Era uma pessoa que mesmo que não estivesse presente era como se ali se encontrasse por toda uma eternidade. Uma mulher que a gente pensa que existiu por toda uma eternidade na vida da gente mesmo sem tê-la conhecido ate aquele momento. 
  
Na verdade, quando a conheci nada senti. Porem aos poucos ela foi se mostrando acima de toda as outras, muitíssimo superior em tudo. Mesmo não usando perfume, sua presença era marcada por um cheiro que só ela possuía. Sabia se vestir como nenhuma outra. Tudo lhe caia bem . Por outro lado, se estivesse maltrapilha, era como vestida de gala. Que presença, que alma, que confiança ela passava, que segurança ela me fazia sentir. Realmente não havia visto ninguém igual . À medida que fomos nos conhecendo no ambiente de trabalho, ela não me mostrou, mas melhor, me fez sentir tudo isto. 
  
Me vieram muitas dúvidas. A primeira delas aquela já tradicional e famosa: aonde se ganha o pão não se come a carne. Talvez o que eu queria mesmo era que fosse da seguinte forma: aonde se ganha o pão se come a carne, ou mesmo devemos no trabalho comer um bom sanduíche de mortadela. Aliás, ela é nada mais nada menos que o sanduíche da melhor iguaria que você pode imaginar. Algo como um bom sanduíche de mortadela de manha cedo e depois fazer sexo com ela sem escovar os dentes, sendo tudo isto entremeado com um bom café com leite, de preferência requentado. Amor é isso ai que estou contando. 
  
É sentir o cheiro que não existe, é ver quem não esta presente, é bater forte o coração quando ela faz alguma coisa que outra fazia e te incomodava e quando ela faz você acha engraçadinho. Nela nada incomodava. Seus comentários a respeito de qualquer assunto fazia com que eu sentisse que nós dois éramos inteligentes, ela mais ainda que eu. E isso não me incomodava, pelo contrario, me colocava em glória (atenção este não é o nome dela). 
  
Ela é realmente uma obra de Deus coisa para homem algum botar defeito. Seu hálito mesmo sem cheiro exalava o mais encantador dos perfumes. Andava que parecia que deslizava, realmente tinha rodinhas em baixo dos pés. Tudo lhe cabia bem. Porem o mais importante nela é que se ela não fosse nada disso, enfim, fosse a mais feia das mulheres, desprovida de qualquer atributo físico, mas mantivesse os intelectuais (atenção porque ninguém é de ferro, alguma coisa tem que ter), ainda assim seria a mais encantadora das mulheres. Nada a supera!! 
  
Enfim, é aquela mulher que você alem de não trair, por desnecessário, eu não agüentaria a culpa de tamanha estupidez, de estar com outra, que sendo quem fosse, certamente seria muito aquém dela. Além de mulher ela é a real representação de todas as outras que existem neste mundo. Estar com ela é como ser amado por todas, fazendo com que não se precise de outra. Ela como mulher é o todo, é o tudo, nada mais havendo a desejar além dela própria. Ela basta, mas basta em qualquer situação. Mesmo descabelada de manha, de rosto e lábios inchados, ainda assim é muito alem das outras. 
  
A ela o meu tributo e minha homenagem por ser quem é, por ser da forma que é, e o meu agradecimento por um dia te-la encontrado, mesmo que a trabalho, mas que me proporcionou horas de êxtase e delírio no mais nobre dos sentidos. 

30 maio 2015

Os caes sao mais felizes.

Já tem algum tempo eu comprei um livro chamado “Cão que ladra não morde”. Eu estava com minha cachorra há muito pouco tempo em casa, e procurava aprender algo sobre os cães, uma vez que esta era a minha primeira experiência na questão. Não sabia muito bem como os animais pensavam, nada a respeito do comportamento deles, enfim, estas coisas. Comprei o livro mais por impulso de aprender algo, do que propriamente por saber do que se tratava o livro. Minha surpresa foi muito grande.

Dentro do livro me deparei com o tema “porque os cães são felizes”, muito mais que nós. Para dizer a verdade, nós não somos felizes como os cães. Pensamos que somos, temos momentos de felicidade, mas na verdade na maioria do tempo não estamos lá muito bem . Culpamos de tudo pelo nosso sentimento confuso de não estarmos confortáveis, mas não olhamos para dentro, para o nosso próprio modo de viver. É aí que reside a questão. Podemos viver melhor e não o fazemos.

Minha cachorra é mais feliz que eu. Sim... muito mais feliz. Já notei isso. Para que vocês percebam o quanto ela é mais feliz, assim como os outros cães, vou listar aqui alguns parâmetros que levarão vocês todos possivelmente a uma vida melhor, muito embora eu duvide porque nós não conseguimos resistir a certas tentações, coisa que os cães o fazem com facilidade ou mesmo não as têm.

Os cães não se importam com beleza, e não se comparam uns aos outros. Veja o seguinte, se você tem um poodle, e o leva ao tosador, e este comete um erro, e o tosa todo, daquele jeito que fica horrível, você quando sai com o cão na rua fica até meio envergonhado, de tão feio que o seu bichinho está. Note que quando ele encontra com outro cão, a festa é a mesma. Ele não dá a mínima, e o outro cachorro também. Beleza para eles não importa, eles não tem este entendimento, o que para nós é muitas vezes fundamental, veja o caso das mulheres. Para elas a beleza é tudo. Nós reparamos no conteúdo que elas têm, mas elas só se importam com a própria beleza, fato este que eu lamento. Os cães não dão a mínima para isso, e se tratam da mesma forma de sempre, estando bonitos ou não, conforme nossos padrões. Isso não existe para eles. Da mesma forma, quando um cão perde um dos membros, e ele encontra com outro animal, nada demais acontece, eles se festejam, isso.. se festejam da mesma forma que se nada tivesse acontecido. Pensa em como você se sentiria se perdesse um membro, e encontrasse um amigo na rua. Pense no contrario, se você encontra um amigo na rua que perdeu um membro, pense em como você se sentiria. Os cães não sentem estes episódios desta maneira, não se vêm como mutilados quando isso acontece. A festa é a mesma, não existe discriminação entre eles, coisa que acontece com espantosa freqüência entre nós. Note ainda, que quando nos encontramos na rua, nos cumprimentamos, claro, é educado, mas não nos festejamos. Na maioria dos casos é uma questão de educação, amizade até, mas não nos festejamos, não demonstramos e não sentimos aquela alegria exuberante que os cães sentem quando se encontram, seja em qualquer situação.

Os cães se contentam com pouco. Nós não. Queremos tudo, e se possível as coisas mais caras. Isso dá um certo status... Minha cachorra dorme aonde lhe convém, normalmente de frente para a porta de entrada, com o intuito de proteger o seu território, nada mais. Quando ela está com vontade, dorme no meu quarto, e no chão. Não se importa muito com a marca do colchão, e nem se a cama ou o sofá fazem barulho, o que eu confesso que de vez em quando me incomoda, ainda mais naqueles momentos mais românticos. A cama rangendo fica meio uma situação de corta tesão. Os cães não sentem inveja, não querem possuir o que os outros possuem. Não competem por valores e bens materiais.

Os cães comem o que é necessário para estarem bem de saúde, e não sentirem fome. Exceto quando o dono o enche de doces e frutas, ai sim ele começa a engordar, ficando muitas vezes doente. Nós não. Comemos para viver e vivemos para comer, veja a quantidade de gordos que temos por ai. Comemos para aplacar a nossa ansiedade, para termos aquela sensação de preenchimento, quase que simbolicamente tentando preencher o vazio da existência humana. Não sabemos de onde viemos e para aonde vamos . Os cães nem se fazem perguntas. De agora em diante, toda vez que você for comer alguma coisa, pergunte se o que você quer comer é necessário. Caso negativo, não coma. Você verá que não existe dieta melhor que esta. Quando for ao mercado, faça a mesma pergunta para o que você compra. Você só comprará o que for necessário, e vai sobrar dinheiro. Faça o mesmo quando for ao shopping. Se não for necessário, não compre. Seu dinheiro será mais bem administrado desta forma, sem que você precise ter um consultor financeiro, ou mesmo tenha que fazer doutorado em administração. Some-se a isto que você não se tornará um chato sem emoções, que é a cara que estas pessoas ficam quando aprendem estas bobagens.



Os cães não têm ego. Quando confrontados com um espelho, vem outro e não a si mesmos. Logo partem para brincar com a imagem do espelho, como se não fosse ele. Ainda ficam felizes e maravilhados por perceberem que este outro faz as mesmas coisas que eles fazem. Os cães não sabem o que é o eu, e conseqüentemente não sabem o que é meu, portanto não lutam por posses, isso não tem valor algum para eles. Por não conhecerem a si mesmos, tudo o que fazem é para o outro, e não para si uma vez que não se conhecem. Trabalham sempre para o grupo, com o objetivo de se protegerem mutuamente e preservarem a matilha. Sem ela não sobrevivem, assim como nós. Mas nós, ao invés de protegermos uns aos outro, formamos grupos para atacar outros grupos, ou mesmo algumas pessoas que entendemos serem nossas desafetas.

Os cães se respeitam, e aceitam estar em qualquer posição da escala social deles. Vivem tão bem quanto os que estão na posição superior. Não existe status entre eles, apenas uma posição hierárquica que define qual a tarefa que cada um tem no grupo. Não existe tarefa menos importante que a outra, todas tem a mesma importância, uma vez que fazem parte da cadeia de atividades que dá sustentação ao grupo. Eles evitam de todas as formas as brigas, uma vez que uma briga entre eles seria uma coisa tão sangrenta, que só traria prejuízos de parte a parte. Além do que poderia causar mortes, e isso eles não querem, para poderem preservar adequadamente a espécie deles. A eles importa preservar o grupo.  Quando mais entre eles e sãos, maiores as possibilidades de sobreviverem, mais seguros serão dentro da natureza.

O líder, ao contrario do que nós pensamos, não e aquele mais forte, com capacidade de intimidar aos demais. Este na matilha só serve como bucha de canhão, mas assim mesmo é preservado. O líder é aquele que todos gostam mais, e o mais inteligente entre eles. Todos vão atrás dele, não importando aonde ele vá. Siga aqueles a quem você gosta, e não aos mais fortes. Os mais fortes em algum momento vão te derrubar. Aquele que você ama, e te ama também, vai te respeitar por amá-lo, não fazendo nada para te machucar, e não te levando para maus caminhos, caminhos que vão fazer você sofrer. Lembre que ele te ama também. Quem ama cuida, e os cães cuidam uns dos outros, lambem suas feridas, cuidam dos mais fracos, se protegem, nós não. Nós muitas vezes aproveitamos a fraqueza alheia para derrotá-lo. E chamamos isso de inteligência, de esperteza, de estratégia. O nome para isso é maldade, coisa que os cães não possuem. Você não vê um cão triste, a não ser pela perda do líder ou de um deles, mas meso assim a maioria supera. Muitos de nós ficamos tristes por ter uma unha quebrada, ou por perda de cabelo. Perceba a diferença de atitude diante das situações.

E assim vai caminhando a coisa. Mas pense no assunto. Você verá que não vai se transformar em um cão, mas se tentar fazer algumas coisas do que aqui escrevi, sua vida vai dar, no mínimo, uma melhoradinha. Na pior das hipóteses vocês vão emagrecer um pouco, melhorando a sua saúde.

Finalizando, siga aqueles que você ama de verdade. Os outros deixe para trás. Eles só servirão para te causar problemas.

27 maio 2015

A gostosa de Copacabana

Eu morava em Copacabana, prédio de dez andares, seis apartamentos por andar. Tinha lá meus  12 anos de idade. Estava começando a me interessar pelas meninas de forma, digamos, mais afoita. O prédio não era lá estas coisas, mas dava para o gasto. Não era exatamente um cortiço, mas também não era uma coisa muito fina. Tinha gente de todo tipo, para todo gosto. Uma visão tipica de Copa naquela época .Eu morava no primeiro andar, coluna 03, e a lindinha no terceiro andar da mesma coluna. Minha vizinha próxima, muito embora eu quisesse que fosse bem mais próxima

Eu nem sei o nome dela, jamais perguntei, mas ela era a gostosa do prédio, e do pedaço todo também Era alta, morena de pele branquinha, coxas torneadas, dentes muito brancos, e sensual, gostosa, daquelas que todo homem quer levar para a cama, e faz qualquer negocio para tanto. A figura exalava sensualidade, era tesão puro, e ainda por cima  tinha aquela cara de quem esta a fim de dar mesmo. Lascívia pura. Na verdade, tinha uma certa cara de piranha.

A figura era comentava em verso e prosa, principalmente por minha turma de amigos, coisa que quase já não existe mais. O que existe no momento são competidores, coisas do mundo corporativo. Mas nós eramos amigos de verdade, coisa de crianças ainda. Ficávamos conversando na calçada do prédio, e  vendo as meninas passarem, ensaiando as primeiras paqueras da vida, e  tentando criar um futuro promissor com as mulheres.

A piranha , ops, digo  a lindinha, saia umas quatro vezes por semana com alguém, homem é claro. Chamava a atenção de todos nós, principalmente pelo fato de todos terem carrões, tipo Dodge Dart e similares.  Final de semana era certo, sempre dois carros diferentes a apanhavam, um no sábado e o outro no domingão. Era a gostosa do pedaço, e nenhum de nós tinha duvida disto. O tempo foi passando, e a situação continuava da mesma forma. Cada dia um carro diferente. A farra devia ser boa. Nós imaginávamos que ela devia ser algo de extraordinário na cama, e acho que não estávamos muito longe da verdade.

Alguns anos mais tarde, eu ainda morando no mesmo  local, entrei no mesmo elevador que ela. Me chamou a atenção o fato dela já estar meio... passada, gasta para falar mais claramente. Já não era tao linda, já possuía algumas marcas de expressão. Enfim , estava começando a ficar meio acabada mesmo. O tempo passa para todo mundo, mas tem gente que acha que não. Pensam que vão ficar jovens pela vida toda.

A situação continuava, e os programas já não eram tao freqüentes Era coisa de uma vez por semana, mas sempre com algum carro diferente. Não havia repetição. Eu me mudei do local, mas meus pais continuaram morando lá. Alguns anos depois, indo para a casa dos velhos, me deparei com ela na portaria. Estava uma senhora, uma senhorinha, para falar a verdade. Já não tinha brilho. Conversei com meu pai, e ele antes um fã ardoroso da lindinha, me informa que haviam acabado os programas. Ele, já havia algum tempo, não a via mais sair com ninguém. Pudera, do jeito que ela estava, acredito mesmo que minguem mais queria sair com ela, nem mesmo a garotada nova da rua.

A mulher fatal havia acabado. Ninguém mais a queria. Estava só, abandonada. Triste vida. Ela que era a mulher a tal, a gostosa de Copa, a desejada, aquela que todos corriam atrás, agora estava  sozinha, e nem mais era cortejada. Havia acabado seu reinado. Nadou, nadou, e morreu na praia. Enquanto tinha corpão, alias tinha tudo, e em cima, não soube aproveitar e estabelecer uma relação duradoura. Não queria, na verdade. Hoje, é uma senhora abandonada.

Eu tinha uma tia, que dizia que farra todo dia assa, e não há hipoglós que de jeito. Pura verdade. Usar o corpo só para o prazer puro e simples, vejam vocês, não leva a lugar algum.

E assim acabou a gostosa de Copacabana. Só!


26 maio 2015

A mente das mulheres.

Como eu já expliquei aqui, eu sou um amigão das mulheres. Mas amigo mesmo, sem maldade alguma, claro. Tenho várias amigas do peito, e que peitos, mas não rola nada, claro, coisa de amigo mesmo, como vocês sabem. Eu sou tão amigo das mulheres, que vou ajudá-las a entender como funciona a cabecinha delas. Isso mesmo, a cabeça das mulheres. Nada melhor para um blog que trata de assuntos científicos. Creio que estarei dando uma ajuda definitiva na compreensão do assunto. Atitude de amigo mesmo.

Para facilitar, vou dar um exemplo bem simples, fazendo a devida comparação com a mente masculina. Garanto a vocês que este texto será um clássico da ciência aplicada ao comportamento humano, se é que isso é possível. Vejamos então esta contribuição de amigo que sou delas.

Um homem e uma mulher compram um quebra cabeças, daqueles de 10.000 peças. Vai dar trabalho a coisa né?? Isso mesmo. O homem quando chega em casa, a primeira coisa que faz, é colocá-lo sobre a grande mesa da sala. Enquanto isso, as mulheres colocam em cima da cama mesmo, e não sabem bem o que fazer com aquilo tudo.

Quando começa a montar o brinquedo, quebra cabeça, claro, não é o brinquedo que vocês estão pensando, o homem dá uma olhada na figura da tampa, que é a base para a montagem do quebra cabeça. A mulher por sua vez, nem pensa nisso. Ela vai tentar montar a figura, sem saber qual é, ou seja, provavelmente não vai conseguir fazer nada, nem mesmo a saída. Aliás, a mulher acaba comprando o quebra cabeças sem a estampa, a figura do brinquedo, por que ela acha que é uma coisa irrelevante, como tudo para elas. Vocês já notaram que a cosia vai mal, muito mal, apesar de eu ser um amigão das meninas.

Nós homens depois de visualizar a figura do brinquedo, passamos a montar as partes, como por exemplo, nos guiando pela cor da paisagem a ser montada. Como as mulheres não têm a figura a ser montada, ainda estão pensando no que fazer.  Ainda estão preocupadas com os detalhes, sem saber quais, mas não tem a noção do todo, a figura do quebra cabeças. Bendito seja!!!!!. Nós, então , passamos a nos guiar pelas bordas e pelas peças do canto. . Com as cores devidamente equacionadas, a figura na cabeça, de cima, claro, e as bordas e os cantos, partimos logo para a solução, o que não é difícil, dá muito trabalho apenas, mas isso é conosco mesmo. Somo s treinados para sustentar famílias, alias uma só, desculpe.

Acontece, que as mulheres, alem de terem adquirido um quebra cabeças sem a figura a ser montada, elas tem em mãos um quebra cabeça sem as peças da borda e sem os cantos. Perceberam como é a mente das meninas. Não que o quebra cabeça não possa ser montado assim. Apenas levará muito mais tempo, e será muito mais difícil, claro. Na situação das peças delas, é difícil até começar, daí elas ficarem divagando com as amigas sobre os mais variados assuntos, muitos sem sentido algum, apenas por estarem em dificuldades com um quebra cabeças que é muito mais difícil de ser montado. Elas custam ate a entender que o quebra cabeças não cabe na mesinha de centro. Precisa ser montado num local bem maior, como o mesão da sala por exemplo, de onde nós, homens, começamos nosso trabalho. Elas começam em uma mesinha ínfima, e depois o pouco que conseguiram montar, depois de anos de trabalho, precisa ser transferido para um local maior. Para fazer isso, elas desmontam o pouquíssimo que haviam montado, e começam de novo. Perceberam como a coisa toda funciona. É simples a explicação e o entendimento, mas vai explicar isso para elas. Elas não querem nem saber do assunto. Se nos escutassem, a coisa toda seria bem mais fácil.


Acredito ter dado um contribuição importante, no que diz respeito á compreensão da mente das meninas, de quem eu sou um amigão meso. Vocês sabem disso melhor que ninguém .

A Lei do Retorno

Eu não acredito nesta lei do retorno. Muita gente vai discordar, alguns até com alguma veemência, mas eu não acredito. Ainda não percebi, de forma clara, a ação desta lei em pessoas em quem ela deveria agir. Aliás eu não sou muito chegado às coisas do espiritismo, tenho medo destas coisas, ate mesmo devido à alguns experiências ruins que vivi com pessoas envolvidas na situação. Mas nada contra a s pessoas que professam a fé espírita, mas fé é fé, e eu tenho a minha, e não  desdenho das outras. Entretanto, em se tratando da lei do retorno, não acredito e ainda não vi funcionar.

A lei do retorno, na verdade, é uma esperança de todos nós, pacíficos e honestos, de que as coisas funcionem desta maneira. Ou seja, alguém cometeu uma falta, mesmo grave, e não precisamos retaliar, a  lei do retorno se encarregaria de punir os perversos, ladrões, bullyingmistas, e outros malvados. Só que eu ainda não vi isso acontecer. É claro que acontecem coisas ruins com essa gente, mas acontece conosco também, mesmo que não tenhamos feito o mal contra outras pessoas. Você certamente já foi por alguém maltratado, vilipendiado, mesmo humilhado. Alguém já te sacaneou, moeu seus nervos, e você não foi capaz de revidar ou retaliar. Você não tem essa maldade toda ou lhe falta pratica. Logo, você espera que esta magnífica lei do retorno puna os malvados, coisa que na maioria das vezes  não acontece. Você fica decepcionado, fica apreensivo, com um nó na garganta por que não consegue responder ao seu agressor. Como disse, você não tem essa pratica na sua mente, espera então os efeitos benéficos e vingativos, para você, a seu favor, da afamada lei do retorno. Mas  nada acontece,  e você fica sempre naquela ansiedade de que algo aconteça a seu agressor, sem que você interfira,  e pronto, você fica vingado, e espera do fundo do seu coração, que o agressor não faça mais nada contra você,  ciente que você pensa que ele, seu agressor, está da  existência lei do retorno e seus efeitos benéficos para voce. Não está, os malfeitores não dão a mínima para isso, mas você espera que eles, de forma cristã, entenda a existência desta lei que não existe, e fiquem mais tranqüilos, e todos possamos viver em paz. Nada disso acontece, e nos frustramos cada vez mais.

A lei do retorno nada mais é que a esperança de dias melhores  entre nós, mas me parece que isso não vai acontecer. Os malvados estão se esmerando, ficando mais profissionais, e nada da lei do retorno amansar esta turma, mas você espera pelos resultados, pacientemente, torcendo para que os desígnios da lei sejam no longo prazo. No longo prazo é mais fácil de engolir a coisa, as ofensas e tal. Portanto, em ultimo recurso da nossa vingança frustrada, esperamos pelo longo prazo da lei do retorno. Nada acontecendo, e nós sendo magoados por uma serie de pessoas malignas, elas existem, acabamos por apelar por uma nova existência, aonde os maus, eles,  serão punidos pela lei do retorno, já em uma outra vida, encarnação, e nós, os benfeitores, seremos recompensados por nossas boas ações e sentimentos. Você não pode garantir que isso vai acontecer, ninguém voltou para contar, ou provar de forma mais clara que isso vai  acontecer assim. Mas esperamos que seja, caraca, e a nossa vingança, que talvez também não seja um sentimento tão bom assim, mas é natural que exista e sintamos. Mas esperamos os efeitos desta lei que vai nos redimir contra nossos inimigos, os reais e alguns supostos, e é ai que já começa a haver uma certa injustiça na situação. A suposição de alguns inimigos que não são, mas apenas contrariam o interesse de alguns. Mas sobre estes esperamos também os efeitos da lei do retorno, afinal, nesse negocio todo somos nós que determinamos as situações, quem são os inimigos e amigos. Ou seja, a lei do retorno é nossa, e  já estamos querendo manipular o resultado da suposta justiça da lei, claro, somos humanos e isso é perfeitamente normal. Queremos o bendito controle da situação.

A lei do retorno nos foi  imposta desde muito cedo na vida, e sempre serviu para o nosso processo de aculturação, ou seja, o estabelecimento de regras de convívio social através do medo. O medo da retaliação. Nós que fomos bem aculturados, tememos esta lei, e a respeitamos, sabendo ter um convívio bastante civilizado com nosso próximo. Aqueles que não tiveram tanto medo da retaliação assim, o medo da lei do retorno, são  estes que nos incomodam, uma vez que na maioria das vezes até vivem melhor, e nada acontece com  eles, mas nós ainda esperamos que isso ocorra, caraça, não podem ter nos ensinado uma coisa que não funciona, e nós acreditamos, e vivemos pior que quem não acreditou na afamada lei, e estamos até hoje esperando que o quadro modifique, e nada da lei do retorno funcionar.
Ocorre que as cosia não funcionam assim. Aprendemos que se fossemos bons, sempre estaríamos protegidos e viveríamos de forma interior mais confortável, pelo menos, isso sem falar de outras benesses que nos prometeram e não vou entrar neste mérito.  E os maus, como iriam viver? Eles seriam castigados, devidamente punidos por forças externas, que não vemos, mas supomos sentir. A eles o inferno, e a nós os céus. Mas como pode se estamos sendo sempre tão bonzinhos, mas ameaçados pelos maus, e nada da lei do retorno  nos ajudar e aquietar essa gente. Como pode?


Como pode?? Me parece que da mesma forma que os homens bomba se explodem  pela falsa promessa de algumas virgens em um suposto paraíso. Nos prometeram coisas, no nosso processo de aculturamento, que não vão acontecer. Essas promessas só serviram para aquietar alguns, castrar outros, amansar mais um punhado de nós. Mas outros não entraram nessa. Não funciona com todos, claro, e ainda estamos esperando que a lei do retorno funcione, e ainda arranjamos uma serie de exemplos aonde ela supostamente funcionou, mas não é verdade. Precisamos da lei apenas para nosso conforto próprio, mesmo que nos enganando. Mais uma vez.